Felizmente, após muito esforço e disciplina, você conseguiu quitar suas dívidas, organizar seu orçamento familiar e agora, tem sede pra investir. Logo, coloca todo seu dinheiro, religiosamente todo mês, na poupança. Desta maneira estará protegido da desvalorização da moeda e da inflação. Mas, como diria o homem do baú: “você está certo disso?”
Para a maioria dos brasileiros esta é uma verdade. Segundo esta pesquisa, o investidor brasileiro mantém perfil conservador, diz a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. Será que você se enquadra neste perfil?

É evidente: cada pessoa tem um plano diferente, objetivos diferentes e por isso os investimentos devem ser diferentes. A única regra é a forma de montar um carteira de investimento eficaz: por meio do planejamento de investimentos.

Portanto, mesmo em um mundo em que “cada cabeça, uma sentença”, existe de fato uma maneira correta de montar uma carteira de investimentos.

Carteira de investimentos – como montar

Como comentei antes, somos indivíduos com desejos e necessidades únicos. Não poderia ser diferente na hora de investir. Portanto, a primeira coisa a ser feita na montagem da carteira de investimentos é identificar o seu perfil como investidor. Deste passo depende toda a estratégia para montar uma carteira de investimentos equilibrada, ajustada aos objetivos e que não cause ansiedade nem desconforto ao investidor.

Há inúmeras opções de investimentos no mercado, para todos os gostos e prazos: imediato, curto, médio, e longo prazo. Além disso, para cada prazo, existem opções de maior ou menor risco. Para uma pessoa extremamente conservadora a carteira deverá ser dividida para todos os prazos de forma mais conservadora. Um perfil mais agressivo montará uma carteira dividida pra todos os prazos de forma mais agressiva. Especialmente nas parcelas de médio e longo prazo existirão diferenças significativas. Tanto de possíveis lucros como perdas.

Qual seu perfil para realizar investimentos?

Vale ressaltar que a análise de perfil é feita por planejadores financeiros em todo mundo. Ela resume aspectos que ajudam a identificar o perfil do investidor e claro, qual o tipo de produto mais indicado.

A montagem de uma carteira de investimentos baseada na definição de perfil também é criticada por alguns especialistas. A razão é acharem que ela padroniza muito a informação e que as diversas situações particulares não conseguem ser mensuradas na análise.

Porém o que interessa mesmo na escolha dos produtos para investimento são 3 questões:

  • o tempo que o dinheiro ficará investido,
  • o perfil do investidor e
  • o montante.

Definição da estratégia de investimentos

Partindo do perfil do investidor, alguns produtos serão descartados, já que  não fazem sentido para o perfil encontrado. Então chega a hora de entender como a carteira será dividida em prazos/riscos em proporções e, assim, teremos a estratégia da carteira, que contemplará as necessidades imediatas, de curto prazo, de médio prazo e longo prazo, assim como a estratégia de rebalanceamento.

O resultado desta é que o investidor deve ter ciência da porcentagem que deve estar  em cada “classe de ativos” (renda fixa, multimercados, renda varíavel, etc).

Seleção dos produtos

Então vem finalmente a fase de seleção dos produtos de acordo com os % já definidos da carteira. É feita uma comparação de custos, expectativa de rentabilidade, entre outros aspectos. Portanto, desconfie de instituições que lhe oferecem produtos antes de te conhecer bem, já que esta deve ser a última parte do processo.

 Compreenda o que é Risco

O risco é a chance de perder o dinheiro investido, total ou parcialmente:

  • O risco principal de investimento está associado à globalização dos mercados financeiros, ou seja, se algo acontece num determinado mercado repercute-se e tem impacto nos outros mercados;
  • O risco de mercado está associado a fatores que afetam o mercado globalmente: conflitos armados, recessões, quebra de índices de confiança económicos, alterações cambiais, mudanças estruturais económicas e outros fatos excepcionais que afetem negativamente o valor das empresas.

De uma maneira geral, para obter maiores rendimentos, é natural ter de assumir maiores riscos. Mas existem vários tipos de ativos com igual retorno potencial, mas com níveis de risco diferentes.

O que você deve buscar

O ideal é encontrar os ativos financeiros que tenham a melhor relação entre retorno e risco, bem como conciliar várias aplicações, para que, através da diversificação, você possa reduzir o risco global em que incorre se efetuar um investimento ou uma carteira de investimentos.

Nunca é bom presumir que se um determinado título teve uma rentabilidade interessante no passado significa uma boa garantia de igual performance no futuro.

Construa seu patrimônio com segurança

Nunca se esqueça que o alvo é sempre melhorar a rentabilidade e segurança de seus investimentos. O Hospital das Finanças oferece uma Consulta Grátis para lhe ajudar a descobrir novas opções de investimentos, equilibrando risco e rentabilidade, de acordo com seu perfil. Por ser uma instituição de ensino, tem total isenção nas análises e indicações. Se interessou? Basta preencher o formulário abaixo que entramos em contato com você!

 

 

Share This
×